Cosme e Damião
Cantinho de

Cosme e Damião

Click here to edit subtitle

 

NOSSA MISSÃO

Prestar assistência espiritual, social e comunitária em geral, contribuindo para o aperfeiçoamento religioso, moral e cultural dos seres humanos através do estudo e da difusão dos princípios religiosos, doutrinários e filosóficos da Umbanda

 
 
 

CONHEÇA UM POUCO DA NOSSA HISTÓRIA

 

Nossa história começa com alguns fatos que, na época, julgávamos ser "isolados": nos idos de 2002, Zezinho, a Criança de nosso Dirigente, "brincando", riscou um ponto, falou um pouco sobre os elementos daquele desenho - uma estrela, espadas, ondas, suas cores - e só. Se despediu e "subiu" sem outros comentários.


Nessa mesma época, a casa na qual nosso Dirigente cresceu, no bairro de Colégio, estava para ser alugada por seu pai. Mas ele vinha encontrando dificuldades para achar alguém que alugasse a tal casa. Alguns possíveis inquilinos chegaram a apresentar documentos, mas sempre havia um empecilho ou outro que fazia com que o negócio desse para trás, e assim o tempo foi passando.


No início de 2004, em uma sessão de descarrego ocorrida na casa matriz da Tenda Mirim (Centro que os três dirigentes atuais de nosso Cantinho frequentavam na época), Seu Tranca-ruas, Exu de nosso Dirigente, informou que o pai de seu "aparelho" não conseguia – e nem conseguiria – alugar a casa porque, nas palavras dele, estava determinado que ali seria "um lugar para se fazer a caridade", mas também não entrou em detalhes sobre os “projetos” do plano espiritual para o futuro.


Um ano depois, em 2005, Vovô Juventino da Bahia, Preto Velho de nosso Dirigente, pediu que seu "cavalo" e outros dois médiuns - os atuais dirigentes do Cantinho - organizassem encontros, que ocorreriam a cada 21 dias e nos quais ele daria consultas a algumas poucas pessoas que seriam "convidadas" por ele. Seria tudo muito simples. O atendimento ocorreria no bairro de Colégio, na tal casa que não se conseguia alugar (!). Havia apenas uma exigência que deveria ser estritamente observada: que houvesse uma disciplina rigorosa na realização desses trabalhos. E assim foi feito.


Já nos primeiros encontros, Vovô Juventino informou que era preciso a presença de outra entidade para apoiar os trabalhos de atendimento e, com isso, convidou a Vovó Cambinda para fazer parte dessa empreitada. Estava lançada assim a pedra fundamental do nosso Cantinho.


Após aproximadamente um ano funcionando dessa forma, com uma busca mais ativa por parte dos "assistentes" pelas consultas, Vovô Juventino nos anunciou a intenção de, oficialmente, abrir a casa, ampliando a possibilidade de realizar caridade. A casa se chamaria Cantinho de Cosme e Damião. Cantinho para lembrar que sua base é a humildade e de Cosme e Damião porque usaria a alegria das Crianças como remédio para curar o sofrimento. E teria por símbolo um  ponto com  uma estrela, espadas e ondas - aquele que havia sido riscando pelo Zezinho há alguns anos! Pronto, estavam juntados os fatos, até então, desconexos e determinado o nascimento de nosso Cantinho.


E pelas origens dos fundadores, ficava determinado também que aquele cantinho seria mais uma casa que seguiria a Escola da Vida pregada pelo Caboclo Mirim; mais um casa com as raízes fincadas no solo sagrado que esse iluminado Caboclo ajudou a arar para que a Umbanda florescesse em todo seu esplendor. Teria seu rito adaptado à sua realidade, mas manteria sempre a essência da Escola de Mirim.


Por solicitação do nosso Dirigente, a casa seria "inaugurada" pelo Caboclo das Sete Cachoeiras, entidade amiga que sempre apoiou o grupo fundador do Cantinho, através da mediunidade de uma grande amiga do grupo. E assim se deu. Mas no momento em que a casa era firmada pelo Caboclo das Sete Cachoeiras, outra entidade - também um Caboclo - se fez presente, abençoou a casa e partiu sem, no entanto, dizer seu nome. Mas a emoção que tomou conta do nosso pequeno terreiro que nascia naquele exato momento foi tanta que tivemos a certeza de quem ali havia se manifestado era o Caboclo Pena Verde, dirigente espiritual da tenda espírita que leva seu nome, casa que, na época em que o Caboclo Mirim se manifestava na Terra através do médium Benjamim Figueiredo, fora, por muitos anos, uma das filiais da Tenda Mirim, e na qual nosso Dirigente diretor de culto, aos 13 anos de idade, deu seus primeiros passos na Umbanda.


Assim, no dia 12 outubro de 2006, pelas mãos de seu Sete Cachoeiras, abençoado pelo seu Pena Verde e sob as sagradas vibrações de Nossa Senhora Aparecida e das Crianças, foi fundado o Cantinho de Cosme e Damião, com o humilde propósito de ser apenas mais um pontinho de luz na Terra; um porto seguro para todos os espíritos, independentemente de sua condição de encarnados ou desencarnados, que buscam um local de paz e que lhes sirva de degrau para sua evolução.

 

PARA SABER UM POUCO MAIS

 

Conheça um pouco da história do Caboclo Mirim e seus ensinamentos.

 
 

Entenda a importância do Caboclo Mirim para a Umbanda.