Cosme e Damião
Cantinho de

Cosme e Damião

Click here to edit subtitle

 

NOSSA MISSÃO

Prestar assistência espiritual, social e comunitária em geral, contribuindo para o aperfeiçoamento religioso, moral e cultural dos seres humanos através do estudo e da difusão dos princípios religiosos, doutrinários e filosóficos da Umbanda

 
 

CONHEÇA UM POUCO DA NOSSA HISTÓRIA

Parte I

Nossa história começa com alguns fatos que, na época, julgávamos ser "isolados": nos idos de 2002, Zezinho, a Criança de nosso Dirigente, "brincando", riscou um ponto, falou um pouco sobre os elementos daquele desenho - uma estrela, espadas, ondas, suas cores - e só. Se despediu e "subiu" sem outros comentários.


Nessa mesma época, a casa na qual nosso Dirigente cresceu, no bairro de Colégio, estava para ser alugada por seu pai. Mas ele vinha encontrando dificuldades para achar alguém que alugasse a tal casa. Alguns possíveis inquilinos chegaram a apresentar documentos, mas sempre havia um empecilho ou outro que fazia com que o negócio desse para trás, e assim o tempo foi passando.


No início de 2004, em uma sessão de descarrego ocorrida na casa matriz da Tenda Mirim (Centro que os três dirigentes atuais de nosso Cantinho frequentavam na época), Seu Tranca-ruas, Exu de nosso Dirigente, informou que o pai de seu "aparelho" não conseguia – e nem conseguiria – alugar a casa porque, nas palavras dele, estava determinado que ali seria "um lugar para se fazer a caridade", mas também não entrou em detalhes sobre os “projetos” do plano espiritual para o futuro.


Um ano depois, em 2005, Vovô Juventino da Bahia, Preto Velho de nosso Dirigente, pediu que seu "cavalo" e outros dois médiuns - os atuais dirigentes do Cantinho - organizassem encontros, que ocorreriam a cada 21 dias e nos quais ele daria consultas a algumas poucas pessoas que seriam "convidadas" por ele. Seria tudo muito simples. O atendimento ocorreria no bairro de Colégio, na tal casa que não se conseguia alugar (!). Havia apenas uma exigência que deveria ser estritamente observada: que houvesse uma disciplina rigorosa na realização desses trabalhos. E assim foi feito.


Já nos primeiros encontros, Vovô Juventino informou que era preciso a presença de outra entidade para apoiar os trabalhos de atendimento e, com isso, convidou a Vovó Cambinda para fazer parte dessa empreitada. Estava lançada assim a pedra fundamental do nosso Cantinho.


Após aproximadamente um ano funcionando dessa forma, com uma busca mais ativa por parte dos "assistentes" pelas consultas, Vovô Juventino nos anunciou a intenção de, oficialmente, abrir a casa, ampliando a possibilidade de realizar caridade. A casa se chamaria Cantinho de Cosme e Damião. Cantinho para lembrar que sua base é a humildade e de Cosme e Damião porque usaria a alegria das Crianças como remédio para curar o sofrimento. E teria por símbolo um  ponto com  uma estrela, espadas e ondas - aquele que havia sido riscando pelo Zezinho há alguns anos! Pronto, estavam juntados os fatos, até então, desconexos e determinado o nascimento de nosso Cantinho.


E pelas origens dos fundadores, ficava determinado também que aquele cantinho seria mais uma casa que seguiria a Escola da Vida pregada pelo Caboclo Mirim; mais um casa com as raízes fincadas no solo sagrado que esse iluminado Caboclo ajudou a arar para que a Umbanda florescesse em todo seu esplendor. Teria seu rito adaptado à sua realidade, mas manteria sempre a essência da Escola de Mirim.


Por solicitação do nosso Dirigente, a casa seria "inaugurada" pelo Caboclo das Sete Cachoeiras, entidade amiga que sempre apoiou o grupo fundador do Cantinho, através da mediunidade de uma grande amiga do grupo. E assim se deu. Mas no momento em que a casa era firmada pelo Caboclo das Sete Cachoeiras, outra entidade - também um Caboclo - se fez presente, abençoou a casa e partiu sem, no entanto, dizer seu nome. Mas a emoção que tomou conta do nosso pequeno terreiro que nascia naquele exato momento foi tanta que tivemos a certeza de quem ali havia se manifestado era o Caboclo Pena Verde, dirigente espiritual da tenda espírita que leva seu nome, casa que, na época em que o Caboclo Mirim se manifestava na Terra através do médium Benjamim Figueiredo, fora, por muitos anos, uma das filiais da Tenda Mirim, e na qual nosso Dirigente diretor de culto, aos 13 anos de idade, deu seus primeiros passos na Umbanda.


Assim, no dia 12 outubro de 2006, pelas mãos de seu Sete Cachoeiras, abençoado pelo seu Pena Verde e sob as sagradas vibrações de Nossa Senhora Aparecida e das Crianças, foi fundado o Cantinho de Cosme e Damião, com o humilde propósito de ser apenas mais um pontinho de luz na Terra; um porto seguro para todos os espíritos, independentemente de sua condição de encarnados ou desencarnados, que buscam um local de paz e que lhes sirva de degrau para sua evolução.

Parte II

O tempo passou, a quantidade de pessoas que frequentava o nosso Cantinho foi aos poucos se tornando maior, alguns se interessando pelos trabalhos para além de assisti-los e, assim, por vezes, passando a fazer parte do corpo mediúnico. E foi chegando gente pelos mais diferentes meios: um daqueles primeiros assistentes convidados levou um irmão; um amigo do amigo de alguém que conhecia a Casa apareceu; uma pessoa que tinha se interessado por uma ação social nossa, que não era diretamente ligada ao Cantinho e sobre a qual ela tomara conhecimento pelo Orkut (lembra dele?!), quis saber mais sobre o terreiro e assim se achegou; também vieram familiares de médiuns e outros amigos; e assim o grupo começou a crescer. Muitos – e bem pitorescos! – foram os caminhos que se cruzaram para juntar os “Cantinheiros” naqueles primeiros dias.

Nesse meio tempo, também teve gente que saiu. E aqui, vale lembra que a Umbanda é amor e o amor, por sua vez, é libertador; não prende ninguém! Não há castigo ou revanchismo com quem opta por ficar de fora do “guarda-chuva protetor” que a egrégora forma. Assim, nossas portas sempre estiveram abertas para quem quisesse chegar ou partir. Afinal, é para isso que elas servem, né? 😉


E essas partidas foram também pelos mais diferentes motivos – ditos ou percebidos: gente que achou a disciplina “puxada”; ou que discordava de termos o estudo da doutrina espírita como parte das nossas atividades oficiais; ou que não desenvolveu afinidade com um ou outro dos Dirigentes; gente que se mudou. Enfim, teve de tudo!


Mas a quantidade dos que ficaram – e que continuavam a chegar – era maior do que a dos que deixavam o Cantinho. E os trabalhos seguiram firmes e, de repente, até um hábito “ecologicamente correto” que tínhamos, que era o de cada um do grupo ter sua própria caneca de louça para ser usada lá na Casa, tornou-se uma preocupação a mais: manter as canecas de forma organizada já estava dando trabalho!


Nosso Cantinho, naquela época, era, fisicamente “-inho”, mesmo: o terreiro em si era uma sala de uns 4 metros de comprimento por 3 metros de largura. E ali se reuniam médiuns e assistência e os trabalhos aconteciam. Até o café da manhã do AFI, nosso programa de apoio fraterno ao idoso, era feito apertadinho ali.


Então, não demorou muito e foi preciso derrubar uma parede e transformar um corredor em local para a assistência, de forma a dar um conforto maior para todos. Pouco depois, outra parede foi removida e o que era a “sala da magnetização” passou a ser parte do terreiro em si.


Por 7 anos, nosso Cantinho foi assim se moldando de forma a atender da melhor maneira possível às nossas necessidades físicas. Uma obrinha aqui, um rearranjo ali e a gente ia se ajustando. Até que tivemos que aceitar que era mesmo preciso um local maior, mais confortável – e até mais seguro! – para a realização dos trabalhos.


Fomos perguntar à Cúpula Espiritual da Casa sobre a possibilidade de termos um lugar maior. Se podíamos procurar um novo espaço. E foi o Zezinho, a Criança de nosso Dirigente, quem levou o pedido “para cima”. Mas foi seu Beira-mar, o Caboclo, quem foi o porta-voz da resposta da Cúpula, que foi mais ou menos assim: “O menino disse que vocês querem um lugar maior, certo? Está autorizado. Mas com duas condições: 1º) que seja aqui perto; 2º) que seja mantida a qualidade dos trabalhos. Vocês se comprometem com isso?”. E nós nos comprometemos e passamos a prestar atenção em possíveis locais nos arredores da sede inicial do Cantinho.


Mas a primeira condição apresentada pelo Caboclo Beira-mar era mais restritiva do que imaginávamos! Nosso Cantinho ficava numa área bem residencial, o que limitava nossas possibilidades a uma outra casa nas redondezas, quando o ideal seria um lugar mais amplo, com um terreno com um espaço mais livre ou um galpão. Mas seguimos buscando por algum tempo. Rondamos as vizinhanças procurando o local onde seria o nosso novo Cantinho, mas nada encontrávamos...


Um dia, nosso Dirigente, fazendo uma busca online viu um anúncio da venda de um salão de festas no nosso bairro. Frente aquele anúncio, o primeiro pensamento foi: “Nossa, um salão de festas por aqui seria perfeito!” e o segundo, seguidinho desse: “Mas, certamente, vai ser muito mais caro do que eu posso investir nesse momento...” e isso fez com que deixasse aquela opção de lado e voltasse às buscas por um imóvel residencial mesmo.


A pesquisa se estendeu das ruas vizinhas para as ruas mais afastadas e até outros bairros ali próximos, mas nada!


Depois de passado mais algum tempo de buscas infrutíferas, nosso Dirigente resolveu voltar à história do tal salão de festas, afinal, não custava nada averiguar. Mas então o anúncio já não estava mais no ar. Talvez já tivessem vendido o salão ou mesmo desistido da venda.

Mas, por esses “acasos” da vida, nosso Dirigente lembrava o nome do salão – Colonial da Alegria – e foi procurar por ele na internet. E descobriu que o salão ficava em uma rua paralela àquela na qual o CCD funcionava! A essa altura, os pensamentos “um salão de festas, na rua ao lado?! Seria perfeito!” e “mas um salão de festas deve custar uma fortuna inalcançável para mim agora!” voltaram a se digladiar em sua mente.


E só para tirar de vez a dúvida, ele conseguiu o telefone do Colonial da Alegria e ligou para lá. E nessa ligação descobriu que, apesar de o anúncio na internet ter expirado, o salão ainda estava sim à venda, mas que somente o proprietário poderia lhe dar mais detalhes, só que, naquela hora, ele estava na igreja.


Naquele mesmo sábado, um pouco mais tarde, o proprietário do salão retornou à ligação. Disse que estava ali perto e poderia ir direto para lá mostrar o lugar e conversar sobre as condições.

Fachada do salão de festas Colonial da Alegria, julho de 2011.

Quando estava para sair em direção ao salão, nosso Dirigente se deu conta de que estava com uma camiseta com a imagem enorme de Cosme e Damião. E deduzindo que o proprietário do salão fosse evangélico – por estar na “igreja” num sábado pela manhã – e que, por isso, a referência aos santos poderia despertar nele algum preconceito e que isso, de alguma forma, pudesse atrapalhar aquela primeira interação deles, pediu para trocar de camiseta com nosso outro Dirigente, que estava com ele fazendo uma manutenção no terreiro, e só aí seguiu para conhecer o Colonial da Alegria.


Logo ao entrar no salão, nosso Dirigente teve a certeza de que ali era o lugar que deveria ser a nova casa do Cantinho de Cosme e Damião (CCD)! O local era um salão de festas infantil. Mais de 7 vezes maior que a sede antiga do Cantinho. E o proprietário era mesmo evangélico e bastante rígido com as regras nas festas ali, que em sua maioria eram de “irmãos”: sem bebedeiras, nem músicas “mundanas”. E o preço, apesar de alto, não era inatingível. Exigiria um esforço, mas era factível. Enfim, era perfeito!


Naquele mesmo dia, nosso Dirigente já saiu dali imaginando as mudanças que faria para deixar aquele lugar com a cara do Cantinho. Aquele dirigente que emprestou a camiseta também emprestou a parte do dinheiro que faltava para compra do imóvel. E depois de semanas de negociações com o proprietário, com muito “choro” de ambos os lados, chegou-se a um acordo e o CCD ganhou uma nova sede! Muito maior, mais confortável e segura.


Depois de algumas obras – da construção dos vestiários, dos banheiros para a assistência, da cabeceira – e muito trabalho dos Cantinheiros, que fizeram a mudança “no braço” (literalmente, já que as duas casas ficam a pouco mais de 200 metros uma da outra!), no dia 14/04/2013, estávamos com nossa nova Casa pronta!

 

O quadro "Mãos que fazem" está no hall de entrada da nossa Casa e foi idealizado pela nossa Cúpula Epiritual como uma homenagem e um agradecimento àqueles que ajudaram, de alguma forma, a tornar a nossa nova sede uma realidade (feito com a impressão das mãos dos que ajudaram com tínta acrílica sobre tela).

Essa nova fase do nosso Cantinho teve seu primeiro trabalho realizado ao raiar do dia 23 daquele mês, na alvorada, sobre as vibrações de seu Ogum!


E assim, desde então, seguimos trilhando nosso caminho até aqui: sempre com o Santo Guerreiro à frente, “com a alegria das Crianças”, “com a justiça de Xangô” e a benção de todos os outros Orixás e Entidades de Luz, a quem insistentemente pedimos que nos permitam que esses sejam apenas os primeiros passos de uma longa e feliz caminhada de amor e trabalho na nossa sagrada Umbanda!

Antes e depois - O local em que hoje funciona a nossa Casa, foi, até 2013, uma casa de festas infantis.

 

Conheça um pouco da história do Caboclo Mirim e seus ensinamentos.

 
 

Entenda a importância do Caboclo Mirim para a Umbanda.